2015 

Galeria Pra Quê

A exposição Galeria Pra Quê? teve dupla intencionalidade: fazer a memória do trabalho apaixonado de seus e suas fundadores(as), seus e suas curadores(as), seus e suas monitores(as) e da equipe de manutenção do Câmpus, os quais fizeram, apesar das dificuldades, desde sua abertura; e apreender a percepção da comunidade em relação ao papel ou importância que ela tem assumido, ou não, no contexto desta instituição. Foi retomada obras das exposições Aquarela em Si Bemol; O Amor Não Dói; Flutuações; Simbioses; e Grupo Arte 15. Para essa exposição, realizada entre 07 a 17 de abril de 2015, foram coletados depoimentos de visitantes e de artistas, além de fotos tiradas durante as exposições. A resposta à pergunta-título Galeria Pra Quê? pôde ser registrada na parede pelos(as) seus e suas visitantes e, ainda, deixar seu nome assinado em uma lista como forma de evidenciar o apoio da comunidade à Galeria e, ao mesmo tempo, a relevância de sua permanência e, para tanto, a necessidade de valorização deste espaço também através da alocação de verbas para sua viabilização.

O Quadrado

A exposição O Quadrado convidou o(a) apreciador(a) a traçar, com as obras que a compuseram, seus próprios diálogos entre os dias 27 de maio a 18 de junho de 2015. Algumas possibilidades interpretativas correlacionadas, as quais não podiam ser assumidas como direcionamentos únicos, estavam representadas nas frases que a compõem. Enquanto o artista, Fábio Merker tem a pretensão do controle, do domínio, da autoria de sua obra, ele não o tem. A obra, os quadrados, criação sua, parecem ter seus próprios anseios. O artista os projeta como iguais, eles, quase autonomamente, libertam-se de suas pretensões, e fazem-se singularidades. Assim, o quadrado, na sua singularidade e, ao mesmo tempo, pela sua semelhança, seja por intenção do artista, ou não, com seus iguais, cada um marcado por sua diferença, compõe o todo da obra.

Proteção

A exposição Proteção da artista Daiane Ferrari aconteceu entre 17 de agosto a 02 de setembro de 2015. A artista, que busca questões ligadas ao gênero, sexualidade e memória, desenvolve-as a partir de um ponto básico: a proteção. Suas obras são formadas envolvendo o agressor – um grão de areia, por exemplo, com madrepérola, substância formadora das conchas e o corpo – símbolo e refúgio do feminino, aludi ao sexo e à sexualidade, à intimidade, ao que está escondido, ao direito sobre o próprio corpo. Ao misturar traços sobre feminismo, a artista também chama a atenção aos estereótipos impostos perante as mulheres. Dessa forma suas obras buscam causar sensações e reflexões sobre questões diretamente ligados ao dia a dia, principalmente em relação ao cotidiano feminino. Para a artista, a arte é uma forma de catarse, em que isso é fundamental pra viver bem.

Esperando o Primo Vero

Esperando o Primo Vero foi a construção de um portal minimundo mágico. Um mundo sem especialistas, fiscais, sem polícia, sem gênero. Onde personagens ganham vida através de retratos dos pequenos dramas, acompanhado de flores e cigarros. A exposição, com a curadoria de Fernando Barbosa, estudante do Técnico em Eventos na época, aconteceu entre os dias 14 a 30 de outubro de 2015 e contou com o artista Juergen Cannes, natural de Porto Alegre/RS. Entre poesias e pescoços longos, nasceram seres mágicos e, ao mesmo tempo, banais, assim como nós, humanos. Uma exposição carregada de esperança, drama, poesia e resistência. Um encontro cru e doce com nós mesmos. Afinal, tudo o que importa é a desconstrução da seriedade.

Sapucaia Tem História

Sapucaia tem História foi uma exposição sobre a repercussão cultural e significação do espaço em meio as transformações da sociedade, com análises e depoimentos dos moradores da região e aconteceu entre os dias 05 a 27 de novembro de 2015. A Galeria, com a curadoria de Kássia Scharlau e Giordana Scherer, estudantes de Gestão Cultural formadas em 2015, se transformou para compor um espaço de recordações, compartilhamento de memórias e oportunidades para iniciativas que zelem e salvaguardem a história do município de Sapucaia do Sul/RS.

Nadismo

A segunda versão de Nadismo foi realizada entre 07 a 18 de dezembro de 2015 e contou com a temática Ciclos. Fase, período, era, passagem, ciclo – foi a proposta da Galeria Experimental para os(as) visitantes, apreciar o momento de Nadismo após etapas cansativas e esgotantes da vida acadêmica. O espaço tornou-se, durante a duração da exposição, um ambiente calmo, convidativo e, com folhas secas, vídeos e sons de mares projetados e redes de descanso o público pôde aproveitar momento de puro nadismo no final do ano de 2015.